Grupo RL

Notícias na General Osório

Listando: 1 à 5 de 1125
YAMAHA R1 PASSA POR ATUALIZAÇÕES E FICA COM MAIS CARA DE MOTOGP

Modelo recebeu upgrades na eletrônica, carenagem, suspensão e motor para linha 2020

Não foi só a Ducati que aproveitou o final de semana do Mundial de Superbike em Laguna Seca para revelar novidades ao público. A Yamaha R1 2020 pegou muitos de surpresa ao ser apresentada durante as atividades do final de semana no circuito californiano e, diferente dos rumores iniciais, é uma evolução, não uma revolução.

CARA DE MOTOGP

A carenagem passou por uma reformulação e, apesar de não ser radical, deixou a R1 mais próxima ainda da M1, moto com a qual Valentino Rossi e Maverick Viñales disputam as corridas da MotoGP - o vídeo promocional divulgado pela fabricante exibe imagens das pistas, tanto da M1 quanto da R1, que venceu as últimas quatro
edições das 8 Horas de Suzuka.

A semelhança pode ser notada especialmente quando se olha a R1 2020 de frente e não foi somente estética, segundo a Yamaha: o ganho em aerodinâmica é de 5% quando comparado à versão anterior, reduzindo o nível de ruído e pressão sobre o piloto, de acordo com a fabricante.

MAIS ELETRÔNICA

A nova geração da R1 tem agora mais opções de controle do ABS, que atua também em curvas. São dois modos de ajuste: BC1, focado nas frenagens em linha reta com a moto em pé, e BC2, que trabalha com mais intensidade nas ocasiões em que o piloto utiliza os freios com a moto inclinada.

O controle de freio motor também é um dos destaques, com três níveis de gerenciamento da atuação do motor nas reduções de marcha para auxiliar nas frenagens.

Os parâmetros são ajustáveis e podem ser visualizados através do painel TFT.

MOTOR ATUALIZADO

A Yamaha R1 segue com um quatro cilindros em linha de 998 cm³, mas que foi retrabalhado internamente em uma série de elementos - cabeçote, bicos injetores, comando de válvulas e sistema de escape, por exemplo. A potência, porém, segue nos 200 cv a 13.500 giros, com torque máximo de 11,6 kgf.m a 11.500 rotações
por minuto.

O retrabalho no propulsor faz com que a nova R1 esteja dentro das normas Euro5 de emissão de poluentes, mais rígidas e que entram em vigor na Europa no próximo ano.

O acelerador eletrônico conta com um chip que lê a posição e elimina a necessidade de cabos, proporcionando respostas e acionamento mais suave, além de reduzir peso. A transmissão é de seis velocidades, com embreagem assistida e deslizante.

SUSPENSÕES RENOVADAS (E ELETRÔNICAS NA R1M)

O conjunto de suspensão recebeu novo garfo dianteiro e amortecedor traseiro da Kayaba. Na versão topo de linha, a R1M, as suspensões com ajuste eletrônico são da Öhlins. Na versão standard, de acordo com a Yamaha, os ajustes proporcionam mais sensibilidade ao piloto e respostas mais suaves do conjunto.

YAMAHA R1M

A R1M conta com o mesmo motor da R1 standard, mas conta com partes da carenagem em fibra de carbono, a suspensão eletrônica mencionada acima e com módulo GPS, além de armazenar dados de desempenho para o proprietário analisar - item interessante para os que se aventuram nas pistas.

O preço da Yamaha R1 2020 nos Estados Unidos é de US$ 17.399, o equivalente a R$ 65.470 em conversão direta. Já a R1M, como era de se esperar, tem preço mais elevado: US$ 26.099, aproximadamente R$ 98.210.

Confira o vídeo promocional da Yamaha R1 2020:


ESPECIAL: DICAS PARA COMPRAR UMA HARLEY USADA POR MENOS DE R$ 20 MIL


Quem chega de Harley-Davidson a algum lugar sempre chama atenção. Mesmo quem não entende (ou não gosta) de motos, aprecia os cromados e o som imponente do lendário motor de dois cilindros em “V”. Para desfrutar desse status basta ter R$ 20 mil na conta bancária e procurar um bom exemplar da Sportster

883, abaixo do modelo 2008. Mas, antes de fazer o cheque, veja os problemas comuns e os desafios de ser proprietário de uma Harley usada.

Existem muitas versões da Sportster 883, porém abaixo de R$ 20 mil, você encontrará em sua maioria a esportiva XL 883R ou o modelo Standard. A grande mudança na 883 aconteceu em 2006, quando a moto ganhou injeção eletrônica.

Conversamos com o mecânico André Pastor, da Vitória Moto Peças, oficina especializada em Harley-Davidson na capital paulista. André, também conhecido como “Cabelo”, lembra que, embora as versões carburadas sejam mais tradicionais e em alguns casos até mais valorizadas, no dia a dia o carburador precisa de constantes regulagens. “O carburador não se acostuma a nossa gasolina misturada com álcool e os problemas são constantes”, afirma o profissional. Por isso, a versão injetada dá menos manutenção e ainda economiza gasolina.

André também destaca um problema crônico nos rolamentos de rodas. “Muitas vezes na hora de trocar o pneu ou consertar um furo, o retentor não é colocado novamente. O resultado é que o rolamento perde a graxa, fica sujo e se desgasta. “Não deve haver folga lateral na roda ou barulho de rolamento, se for o caso é preciso substituir a peça”. A troca fica em torno de R$ 400 e, se for um modelo com freios ABS, o valor estimado é de R$ 700.

O mesmo cuidado deve ser dedicado à correria dentada de transmissão final. A durabilidade é superior a 100 mil km, mas é preciso conferir o estado dos ressaltos (dentes) que fazem o encaixe nas polias. “Se o dono rodou na terra e uma pedra se alojou na correia ela poderá estar danificada”. Trocar uma correia custa caro: em torno de R$ 3.000.

Manutenção cara
O custo de manutenção é um fator a ser levado em conta antes de comprar uma Harley usada. Um simples manete, por exemplo, supera os R$ 500, enquanto o disco de freio chega a R$ 1.800 (veja tabela de preços).

Na busca de diminuir o custo de manutenção, muitos donos de Sportster usam peças de carros na hora do conserto. Um exemplo é a cebolinha do freio, que pode ser substituída pela do Fusca. Se houver problema com a bomba de combustível é possível usar o refil da bomba do Chevrolet Corsa.

Mas, se os custos de manutenção não te assustam saiba que, além do status, a Harley-Davidson 883 também oferece uma boa aceleração que permite ultrapassagens seguras. Seu motor Evolution, com dois cilindros em V a 45º e refrigerado a ar atinge a potência máxima de 51 cv, mas o destaque fica para o torque máximo de 7 kgf.m a 4.000 giros. Graças ao câmbio de cinco marchas é possível uma tocada tranquila em viagens curtas. Seu tanque de combustível tem capacidade para 12,5 litros o que restringe a autonomia.

Mesmo que você se empolgue e ache uma moto em ótimas condições, não deixe de pedir a opinião de um profissional. Em resumo, a Harley 883 (assim como todos os outros modelos da marca) não é moto para principiantes. Ou você tem um bom dinheiro e um profissional de confiança para mandar fazer a revisão periódica sem se preocupar com os gastos, ou tem conhecimento mecânico para fazer a manutenção em casa. Caso contrário poderá ter mais tristezas do que alegrias e sua Harley poderá ficar mais tempo parada na garagem do que desfilando com você.

Preços das peças de reposição
Pesquisamos os preços de peças de reposição originais e algumas sugestões de peças paralelas. Confira os valores
Manete de freio R$ 370
Manete de embreagem R$ 380
Manete de freio e embreagem cromado (paralelo, marca Drag Specialties) R$ 380,00 o par
Filtro de ar R$ 350
Filtro de ar K&N lavável R$ 520
Filtro de óleo (marca Hiflo) R$ 70
Disco de Freio (dianteiro) R$ 1.800 cada
Disco de Freio paralelo (dianteiro) R$ 950 cada
Pisca dianteiro R$ 490
Cabo de acelerador A e B (paralelo) R$ 598
Pneu Dianteiro Metzeler ME 888 R$ 490
Pneu Traseiro Metzeler ME 888 R$ 680

(Fonte: Agência Infomoto) - 16/07/2019
KAWASAKI TEAM GREEN PATENTEIA MOTO HÍBRIDA GASOLINA-ELÉTRICA

Sem revelar detalhes, a Kawasaki abre registra patente para uma motocicleta de motor pequeno.

Nesta segunda tivemos notícias de que a Kawasaki patenteou um modelo de motocicleta híbrida; gasolina-elétrica.

De acordo com o desenho do modelo, a moto é equipada com dois motores: um pequeno motor a gasolina e outro elétrico. Há também espaço para a bateria.

KAWASAKI MOTO HÍBRIDA: FORA DA CAIXA

Ainda não há um modelo híbrido no mercado de motos, mas se a Kawasaki levar o modelo à produção, ela será a primeira a dar início à produção de motos desta categoria. A ideia é alcançar o mercado de carros.

A BMW recentemente também apresentou um pedido de patente de um modelo híbrido.

Um detalhe a ser observado, é que, diferente dos desenhos apresentados até agora, a Kawasaki dispõe o motor elétrico atrás do trem de força monocilíndrico. Não o colocando dentro do cubo da roda dianteira. O motor a gasolina é de pequena capacidade, comum em carros híbridos urbanos e até nos de alta performance, como Fórmula 1.

(Fonte: Por Marcel Ahless Equipe MOTO.com.br) - 09/07/2019
REGENT NO. 1: CONHEÇA A MOTO ELÉTRICA COM DESIGN TOTALMENTE RETRÔ

Regent Motorcycles apresenta um conceito estilístico que questiona como deve ser a aparência das motos elétricas.

Nas últimas semanas tivemos notícias com três novidades de motos elétricas vindas de montadoras diferentes; a saber, a BMW, com Vision DC Roadster, Arc Vector e a Zero, com a SR/F.

Das três, podemos observar que a Zero já é realidade; estará nas lojas em breve. Sua aparência assemelha-se com as linhas de uma das nakeds mais ambicionadas do mercado europeu: a Honda CB 650R.

Nesta semana também surgiu uma moto elétrica, mas diferente; com linhas totalmente retrô: a Regent NO. 1.

REGENT NO. 1 REMETE À NOSTALGIA
Como deve ser o design de uma moto elétrica? A Regent NO. 1 pegou a contramão do fluxo em que as montadoras mais relevantes do mercado estão.

Mas, se tem algo difícil de desfazer, é o tanque de combustível. É sem dúvida o elemento que atrai os consumidores pelo design. Todas as montadoras ainda não arriscaram desfazer-se dele.

Duas montadoras apresentaram nesta semana, na Europa, suas unidades conceituais: a BMW e a Regent.

Você pode conferir a matéria da BMW Vision DC Roadster aqui.

A startup da Suécia, Regent Motorcycles, apresenta a Regent NO. 1, a moto com linhas de design das motos antigas.

A Regent NO. 1 é tecnológica, apesar da aparência: seu sistema propulsão é perceptível e o painel digital é visível.

ESPECIFICAÇÕES
A Regent NO. 1 é equipada com uma bateria de 72V. A potência do motor é de 11 cavalos contínuos e 20 cavalos de potência de pico.

O alcance da autonomia é de 150 quilômetros, ainda não especificados em quais condições.

O peso total é de 130 quilos, com um motor estrategicamente disposto para manter a carroceria mais leve.

A Regent NO. 1 é uma moto de baixo desempenho, diferente da BMW Vision DC Roadster.

A empresa sueca planeja o início das vendas na Europa em 2020, com preço sugerido de 9.500 Euros, R$ 40.657 em conversão direta.

(Fonte: Por Marcel Ahless Equipe MOTO.com.br) - 09/07/2019
HONDA GOLD WING FICA MAIS LEVE, POTENTE E MODERNA EM NOVA GERAÇÃO

Conhecida como rainha das estradas, grã-turismo japonesa foi completamente renovada; motor de 126 cv agora tem câmbio automático DCT

A nova geração da Honda Gold Wing GL 1800 foi completamente remodelada. A começar pelo design, passando pelo quadro, suspensões, motor e transmissão tudo é inédito na grã-turismo japonesa. Mais leve, potente e recheada de tecnologia, a Gold Wing 2019 mudou para manter a fama de “rainha das estradas”.

O luxuoso modelo chega às concessionárias da marca em duas versões: a Gold Wing, que se diferencia pela ausência do topcase, e tem menos equipamentos, vendida a R$ 136.550; e a Gold Wing Tour, mais completa e dotada de câmbio de dupla embreagem (DCT), cotada a R$ 156.550 – e avaliada em nosso teste. Apesar do preço elevado, já foram entregues 85 unidades das duas versões aos clientes que encomendaram o modelo na pré-venda.

TECNOLOGIA DE CARRO
Para manter o reinado, a Gold Wing herdou tecnologias dos automóveis Honda, como o câmbio de dupla embreagem (DCT) com sete marchas e trocas automáticas. Além da suspensão dianteira do tipo double-wishbone inspirada no esportivos Honda NSX e o já conhecido airbag.

Com duas embreagens, as trocas do câmbio são quase imperceptíveis. A princípio pode não fazer sentido uma moto “automática”, mas lembre-se que a Gold Wing foi feita para quem quer rodar centenas de quilômetros em um dia. Nessa situação não ter que apertar a embreagem milhares de vezes pode significar mais conforto ao chegar ao hotel.

Além disso, o renovado motor de seis cilindros opostos (boxer) de 1.833 cc produz bastante torque: 17,3 kgf.m já a 4.500 rpm – como efeito de comparação um Honda Civic EXL tem motor 2.0 e 19,3 kgf.m de torque. As trocas rápidas e a relação de marchas permitem aproveitar bem toda essa força.

Agora, se quiser sentir a esportividade dos 126 cv de potência máxima, pode escolher o mapa “Sport” entre os quatro modos de pilotagem disponíveis ou trocar as marchas manualmente, por meio de “borboletas” no punho esquerdo. O novo sistema de controle de tração, que pode ser desligado, cuida para a roda traseira não derrapar mesmo que você se empolgue demais.

A nova suspensão dianteira com duplo braço oscilante não atua diretamente sobre o guidão e isola o piloto de trancos. Na traseira, o monobraço traz o eixo-cardã embutido. Ambas têm regulagem eletrônica de acordo com a carga.

PRAZER DE MOTO
Mas a Honda também aplicou sua tradição em construir motocicletas fáceis de pilotar na nova Gold Wing. Além da suspensão, quadro, rodas e pneus foram redesenhados. O objetivo foi perder peso: a grandalhona grã-turismo emagreceu 18 kg e marca 369 kg a seco na balança. Mas, na prática, nem parece tanto.

Com centro de gravidade bem baixo, e o assento a apenas 74,5 cm do solo, a Gold Wing é fácil de manobrar – mas, se precisar de ajuda, há o “Walking Mode” que movimenta a moto para a frente e para trás com o apertar de um botão.

Em baixas velocidades, a sensação é de se estar pilotando uma moto bem menor. O centro de gravidade baixo deixa o guidão leve. A largura de 90,5 cm exige cuidado, mas foi possível até pegar o corredor nas Marginais paulistanas em direção à estrada.

Na Rodovia dos Bandeirantes, a 120 km/h, a Gold Wing mantém-se firme na trajetória. O conforto é garantido pelo amplo banco e pela proteção aerodinâmica do para-brisa, que ganhou ajuste elétrico.

Era só curtir o som da nova central multimídia. O sistema tem Apple Car Play, que espelha a tela do iPhone na tela colorida TFT de 7 polegadas, mas só permite conexão Bluetooth para dispositivos Android. O som das quatro caixas tem boa qualidade, e a navegação do sistema é intuitiva por meio de botões no punho esquerdo. Há também uma infinidade de informações sobre consumo, distância

percorrida, autonomia e até a pressão dos pneus.

A Gold Wing é equilibrada em baixas velocidades e bastante estável em um ritmo mais rápido na estrada. O motor tem potência para ir bem rápido e a ciclística transmite confiança para ultrapassar o limite de velocidade.

Nas rodovias sinuosas da região de Morungaba, interior de São Paulo, a grã-turismo também não faz feio. A geometria revista do quadro e o motor posicionado mais à frente ajudam a fazer curvas com confiança e incrível desenvoltura. Apesar do porte avantajado, a Gold Wing é ágil como uma moto mais leve, mas com muito mais conforto.

TUDO PARA CONTINUAR A REINAR
As duas malas laterais e o top-case têm capacidade para 110 litros. O que, logo de cara, resolve um problema de se viajar de moto. O espaço é suficiente para a bagagem de um casal sem exageros. A nova chave de presença (smart key) permite abrir os compartimentos à distância ou os trava, caso você se esqueça.

A lista de mimos é extensa. Aquecedor de manopla e bancos, piscas com auto cancelamento, cruise control, assistente de saída em ladeiras... Ao motociclista, só se preocupar em não errar o caminho e curtir a estrada.

Leve, mais potente e fácil de guiar do que nunca, a nova Honda Gold Wing mudou completamente em relação ao modelo anterior. Com novas tecnologias e o câmbio DCT, que é uma atração e uma comodidade à parte, a grã-turismo japonesa tem tudo para manter o trono de “rainha das estradas”.

CONFIRA O VÍDEO DO CHINA COM A HONDA GOLD WING:



Ficha técnica Honda Gold Wing Tour GL 1800
MOTOR

Seis cilindros opostos (boxer), OHC e arrefecimento líquido
Capacidade: 1833 cm³
Diâmetro x Curso: 73,0 x 73,0 mm
Taxa de Compressão: 10,5 : 1
Alimentação: Injeção eletrônica PGM-FI
Potência máxima: 126 cv a 5.500 rpm
Torque máximo: 17,3 kgf.m a 4.500 rpm
Câmbio: Sete velocidades com dupla embreagem (DCT)
Transmissão Final: Eixo-cardã
Partida: Elétrica

ESTRUTURA

Quadro: Diamond twin tube

FREIO

Dianteiro: Disco duplo de 320 mm com pinças radiais Nissin com seis pistões e ABS combinado
Traseiro: Disco de 319 mm com pinça Nissin de três pistões e ABS combinado

SUSPENSÃO

Dianteira: Double-wishbone com amortecedor Showa e 110 mm de curso
Traseira: Monobraço Pro-link com 105 mm de curso

PNEUS

Dianteiro 130/70 – 18
Traseiro 200/55 – 16

DIMENSÕES

Comprimento: 2.575 mm
Largura: 905 mm
Altura: 1.430 mm
Distância entre eixos: 1.695 mm
Altura do Assento: 745 mm
Capacidade do tanque: 21 litros
Peso seco: 369 kg
Cores: Vermelho e preto metálico

Preço: R$ 156.550

Listando: 5 de 1125

Anuncie

Sobre o Portal da General Osório

O Portal da General Osório foi lançado em 01 de janeiro de 2002, tendo como objetivo principal a divulgação de empresas e produtos comercializados na região da rua General Osório (boca das motos) no centro da cidade de São Paulo, focando-se principalmente em produtos voltados para a área de Motociclismo.